Pin It

woscontabilidade-irpf

Guia rápido para declarar o Imposto de Renda.

Desde o dia 02 de março, a Receita Federal está recebendo a Declaração do Imposto de Renda Pessoa Física (IRPF) 2017. E, todos os brasileiros que receberam rendimentos ou por alguma condição especial são obrigados a informar seus ganhos junto a Receita Federal através da Declaração anual do Imposto de Renda. Por isso, preparamos os nove passos para ajudar você no preenchimento da sua declaração.

1º passo – Você precisa declarar o Imposto de Renda?

A primeira coisa a fazer é saber ser se você precisa fazer a Declaração do Imposto de Renda.

Veja a seguir, se você está enquadrado em alguma condição abaixo que o obrigará ao preenchimento da declaração.

  • Contribuintes que receberam rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2016;
  • Contribuintes que tiveram R$ 40 mil em rendimentos não tributáveis ou descontados na fonte;
  • Contribuintes que obtiveram lucro acima de R$ 142.798,50 em atividade rural ou que tenham propriedades de bens e direitos acima de R$ 300 mil.

2º passo – Todos os documentos necessários estão reunidos?

Agora que você sabe que precisa declarar o imposto de renda é preciso reunir todos os documentos necessários, então reúna os seguintes documentos:

  • Número do CPF de dependentes (se tiver)
  • Número do CPF e / ou CNPJ das fontes pagadoras (documentos comprobatórios).
  • Comprovante anual de rendimentos das fontes pagadoras (salários e/ou serviços prestados)
  • Comprovantes de gastos dedutíveis no Imposto de Renda (educação, saúde ou gastos com previdência).
  • Outros comprovantes de pagamentos, rendimentos, bens e doações feitos no ano anterior (Obs: os documentos precisam ser guardados para conferência por um período de cinco anos).
  • O número do recibo da declaração anterior do IRPF.

3º passo – Download do programa do IRRF 2017.

wos_download_irpf

Agora que reuniu todos os documentos necessários, é preciso fazer o download do programa do IRPF 2017 (https://idg.receita.fazenda.gov.br/interface/cidadao/irpf/2017/download) no site da Receita Federal. É só escolher para qual dispositivo quer baixar o programa.

Feito isso, está na hora de começar a preencher a sua declaração de imposto de renda.

4º passo – Informar os dados básicos.

wos_programa_irpfDepois de instalado o programa no dispositivo de sua preferência, está pronto para iniciar e é só começar a preencher a declaração do imposto de renda.

Atente-se ao fato que a sua declaração será salva no dispositivo instalado. Isso permitirá interromper o preenchimento da declaração, caso precise, sem perder o que já foi declarado, e poderá continuar em outra oportunidade.

Você pode importar a declaração do ano anterior, uma declaração pré-preenchida ou iniciar uma nova.

Quando você importa a declaração de anos anteriores, seus dados de identificação já são preenchidos automaticamente e basta conferir se eles estão corretos. Nesse caso da importação da declaração do ano anterior, será solicitado o número do recibo. Se você for um contribuinte que não declarou no ano anterior é só deixar em branco.

5º passo – Dependentes e alimentandos.

O próximo passo, caso tenha dependentes, é colocar os dados deles na declaração. Selecione a aba – dependentes e alimentados – clicar em novo e preencher os dados conforme solicitado. Caso o dependente tenha mais de 12 anos, deverá informar o CPF.

Veja aqui quem pode ser declarado como dependentes:

  • Companheiro com quem o contribuinte tenha filho ou conviva há mais de cinco anos;
  • Cônjuge;
  • Filho ou enteado de até 21 anos ( se ele estiver estudando em escola técnica ou universidade é até 24 anos);
  • Pais;
  • Avós ou bisavós que não paguem imposto;
  • Menor de até 21 anos de que a pessoa seja tutora.

Veja aqui quem pode ser declarado como alimentando:

  • Todas as pessoas para as quais o contribuinte pague pensão por meio de decisão judicial ou acordo feito por meio de escritura pública.

Por cada dependente o desconto será de R$ 2.275,08, mais os gastos com o alimentando dedutíveis (gastos médicos e com educação).

6º passo – Declarar os rendimentos.

É nesse momento que precisa ter muita atenção para declarar  os rendimentos recebidos, mesmo os não tributáveis para não cair na malha fina.

São várias as divisões de rendimento, veja quais a que você se encaixa e preencha com muita atenção.

Os rendimentos são divididos em:

  • Tributáveis recebidos de pessoa jurídica.
    • Ganho com salários, décimo terceiro salário, pagamentos com contribuição previdenciária e imposto de renda na fonte.
    • Ganhos com prestação de serviços de pessoas físicas para pessoas jurídicas (colocar o CNPJ da fonte pagadora).
    • Rendimentos recebidos por dependentes.
  • Tributáveis recebidos de pessoa física/exterior.
    • Primeira aba – Ganhos com serviços prestados a pessoas físicas (prestação de serviços ou honorários, informar o CPF do pagador).
    • Segunda aba – Ganhos com aluguéis, outros e recebidos do exterior. Aqui também pode declarar gastos com a Previdência oficial, dependentes, pensão alimentícia e gastos com livro caixa e pagamentos feitos com Carnê-Leão (declarar esses gastos pode ajudar a deduzir valores do IRPF).
  • Rendimentos isentos e não tributáveis.
    • Ganhos com bolsas de estudos, investimentos, restituição do Imposto de Renda e outras. É um total de 26 opções de ganhos dessa natureza e livre de impostos.
  • Rendimentos sujeitos à tributação exclusiva.
    • Participação nos lucros, rendimentos de aplicações financeiras e juros sobre capital próprio.
  • Tributáveis de PJ.
  • Recebidos acumuladamente
    • Rendimentos recebidos acumuladamente (relativos há outros anos, mas recebidos no último ano calendário).

Basta pegar os comprovantes, separar pelas divisões de rendimentos e começar a preencher os valores corretos.

7º passo – Declarar os pagamentos efetuados.

Após declarar os rendimentos é hora de declarar os pagamentos efetuados.

No campo – imposto pago/retido – declare os pagamentos com o Imposto de Renda e impostos complementares pagos por meio de Darf e impostos pagos no exterior. E, na sequência preencher os outros campos caso tenha feito outros pagamentos.

No próximo campo – pagamentos efetuados – preencher com as despesas dedutíveis no Imposto de Renda.

Veja os gastos que podem ser declarados:

  • Gastos com educação,
  • Saúde,
  • Previdência complementar,
  • Pensão alimentícia,
  • Outros pagamentos (como alugueis).

É recomendável colocar o máximo de pagamentos realizados, mesmo que não sejam dedutíveis, para diminuir as chances de cair na malha fina.

No campo – doações efetuadas e doações a partidos políticos – são para quem fez as respectivas doações.

A Receita Federal informa que podem ser deduzidos até 6% do imposto devido com doações para as seguintes áreas:

  • Incentivo à cultura,
  • Incentivo à atividade audiovisual,
  • Incentivo ao desporto,
  • Doações Estatuto do Idoso.

Outras doações devem ser declaradas, mas não garantem dedução no imposto devido.

8º passo – Bens  e direitos – dividas e ônus.

Nesse passo você vai relacionar e declarar os bens e as dividas contraídas.

Bens a declarar:

  • Imóveis, veículos, embarcações e aeronaves,
  • Bens móveis com valor maior do que R$ 5 mil, como joias,
  • Saldos de conta-corrente, poupança e demais aplicações financeiras que tenham mais de R$ 140,00,
  • Conjunto de ações, cotas ou quinhão de capital de uma mesma empresa de valor igual ou superior a mil reais.

Como declarar: selecione o tipo do bem, o país em que se encontra, descrevê-lo e colocar a situação dele em 31.12.2015 e em 31.12.2016. Caso o bem tenha sido adquirido durante o ano anterior, a situação em 31.12.2015 deverá ser 0,00.

No campo – Dividas e ônus – é preciso discriminar o tipo de dívida, a natureza do credor e os valores.

Obs: Financiamentos de imóveis devem ser descritos no campo – bens e direitos – no item situação.

 9º passo – Entregando a declaração.

Esse é o último passo, agora que terminou de preencher a declaração, a primeira coisa a fazer é verificar o campo – pendências – para saber se não tem nenhuma informação incompleta.

Se houver erros, será sinalizado por um triangulo vermelho. É preciso corrigir as pendências para poder entregar a declaração. Se aparecer um triangulo amarelo, está sinalizando algum aviso para ser corrigido. O importante que esse campo fique limpo, sem nenhum aviso.

Nesse momento você precisa escolher o tipo de declaração, por Deduções Legais ou Desconto Simplificado. Verifique os valores de cada uma e escolha o menor valor de pagamento de imposto ou o de maior valor de restituição.

Feito isso é só entregar. Basta clicar em – entregar a declaração – , nesse ano, o próprio programa envia a declaração, não será necessário usar o Receitanet.

Caso tenha imposto a ser recolhido, o contribuinte pode fazer a impressão dos boletos de pagamento no próprio programa do Imposto de Renda. O parcelamento pode ser em até oito vezes, com juros pela Taxa Selic + 1% ao mês, permitido a quem tenha restituição a receber.

É possível imprimir a Declaração do Imposto de Renda e outros documentos (Darf, informe de rendimentos e planos de saúde) utilizados para a declaração.

O prazo final para entregar a declaração é até 28 de abril de 2017.

Acreditamos que seguindo os nove passos você preenche a sua declaração de imposto de e faça a entrega até antes do prazo final, porém, é preciso levar em consideração que esse é um guia básico e pode ser que você tenha alguma peculiaridade que não esteja descrita aqui. Para uma ajuda a respeito de esclarecer duvidas de algum item da declaração entre em contato aqui com a JAS-WOS Contabilidde que faremos o que estiver a nossa disposição.

Há anos, a JAS-WOS Contabilidade cuida das várias declarações de IRPF de seus clientes. Entrega sempre dentro do prazo e conta com uma equipe especializada para dirimir as duvidas que possam surgir a cada ano e assim, descomplica a vida de seus clientes com as Declarações de Imposto de Renda.

Baixe aqui a cartilha do IRPF

#jas-woscontabilidade  #irpf #declaraçãoimpostoderenda